Linux: prós e contras para quem usa o sistema

Aviso importante!

Eu sei que você não quer ver propagandas, porém o conteúdo gratuito só está aqui graças a publicidade. Considere desativar o AdBlock para esse site.

Olá, sejam bem vindos ao segundo artigo da série na qual estamos falando sobre os principais sistemas operacionais do mercado: Windows, Linux e MacOS, citando prós e contras de cada um deles.

Já faz um bom tempo que escrevi um post com 10 razões para usar uma distribuição Linux, além de indicar algumas opções para iniciantes, como o Linux Mint por exemplo. Mas hoje vamos falar sobre o sistema como um todo, e tentar mostrar quais são as vantagens e desvantagens para quem usa (ou quer usar) Linux.

Um pouco de história

O Linux surgiu em 1991 quando Linus Torvals decidiu criar um sistema Unix para rodar no seu 386. Na época, o único sistema similar que existia era o Minix, um SO de uso acadêmico mas muito limitado. Linus então usou o Minix para rodar os editores e compiladores para criar o kernel do Linux, e a partir de um certo ponto, pode usar o próprio Linux para isso.

Ou seja, o Linux passou a ser desenvolvido dentro do próprio Linux (loucura não)!

Este projeto, que era um hobby de um programador, tinha uma grande vantagem em relação aos demais sistemas Unix da época: era GPL. Isso permitiu que outros desenvolvedores colaborassem com alterações e melhorias para o sistema. Foi então que toda demanda em relação aos sistemas Unix foi canalizada para o Linux.

Por tudo isso, vale destacar que o sistema operacional Linux não demandou de muitos estudos, sendo criado por um grupo de entusiastas em computadores de caráter pessoal. Mas, a partir do momento em que grandes empresas notaram o desenvolvimento que o sistema ainda poderia desempenhar, várias começaram a dar o seu apoio, como por exemplo a IBM, Oracle, Red Hat, HP, Sun MicroSystems e até mesmo o Google.

Pontos positivos

likeSeria negligência de minha parte começar a falar em vantagens sem mencionar a questão "preço", uma vez que o Linux é totalmente gratuito, você não precisa gastar com uma licença de software. O único custo seria com a instalação, pois caso você não saiba como fazê-la, precisará contratar um técnico qualificado para isso.

Temos ainda como principal ponto positivo a segurança que o sistema oferece, uma vez que para fazer qualquer instalação ou alteração significativa no sistema, será necessário fornecer uma autorização extra, do que eles chamam de "usuário root" ou algo como "super administrador".

Essa autenticação alidada a forma como o sistema trata os arquivos executáveis, torna o Linux praticamente imune a vírus e outros malwares provindos principalmente da internet. Não estou dizendo que o sistema é impenetrável, mas que é bem mais difícil "pegar um vírus" usando Linux.

Deixando um pouco a segurança de lado, vamos falar em estabilidade. É muito difícil encontrar relatos de sistemas Linux que travam e precisem ser resetados "a força". Deixar um computador com Linux ligado 24 horas por dia durante o mês inteiro, não fará ele ficar mais lento, ao contrário do Windows que precisa de constantes reinicios (isso não se aplica para as versões SERVER).

Essa estabilidade toda, deve-se a forma como o Linux trata os processos em execução, pois cada processo é de certa forma isolado do restante do SO, assim caso um aplicativo venha a travar, ele não irá afetar todo sistema, mas somente aquele aplicativo específico. Assim, podemos dizer que o Linux é sim um sistema multitarefas, título este que a MS dá aos seus produtos de forma um pouco equivocada.

Para finalizar, o Linux usa o hardware de forma muito mais inteligente, e isso por sua vez não demanda tantos upgrades ao atualizar o sistema para novas versões. Por falar em novas versões, sempre que uma atualização de versão estiver disponível, você poderá instalar ela gratuitamente no seu micro, e o melhor de tudo, sem formatar a máquina... legal né?!

Pontos negativos

dislikeEu entendo que o Linux foi criado por programadores e para programadores, e somente depois de algum tempo começou a ganhar versões direcionadas ao usuário doméstico comum. Isso acabou tornando o sitema bastante técnico, o que eu considero um ponto negativo, uma vez que é necessário um nível de conhecimento maior para fazer muitas tarefas consideradas comuns.

Por ser concorrente da Microsoft, o Linux quebra um pouco o conceito pregado pela MS sobre interface do SO, isso por sua vez faz com que o usuário que pretende migrar sinta muita dificuldade em adaptar-se ao novo modelo de ver e operar o computador.

A configuração do sistema também exige bastante do usuário (atualmente isso esta melhorando), por isso, fazer ajustes finos no sistema não é tarefa para qualquer um.

Temos ainda a qualidade e quantidade de aplicativos disponíveis. Ok, eu sei que existem softwares para tudo (ou quase) no Linux, mas o problema é que alguns exigem um nível de usuários denominados "ninjas" para conseguir usá-los de forma adquada. Temos ainda os games, que até pouco tempo eram raros e difíceis de configurar para se ter um bom desempenho.

Essa questão dos games está mudando relativamente rápido, tanto que alguns grandes desenvolvedores de games estão dando prioridade ao Linux para seus títulos. Eu considero a questão dos games um ponto neutro, mas como somente temos prós ou contras, dedici incluir o item nos contras.

Conclusão

Para finalizar, o sistema operacional Linux é indicado então para pequenas, médias e grandes empresas, pois facilita o uso de sistemas de forma grupal. Além disso, pela segurança que apresenta, o Linux está presente na grande maioria dos servidores do mundo inteiro e em um dos computadores chineses mais rápidos do mundo.

Já para uso doméstico, é um sistema bom para quem usa o micro para tarefas "sociais", como acesso a internet, emails, estudo e pesquisas por exemplo. Para demais tarefas, tudo é uma questão de adaptação.

Assim, encerramos o segundo artigo da série sobre sistemas operacionais. Espero que você tenha gostado e não perca nossa próxima publicação, na qual falaremos sobre o sistema da maçã... até lá!

Sobre o autor

Ricardo Bernardi

Sou técnico em hardware e desenvolvedor web, e sobre estes dois assuntos comecei a compartilhar aulas e artigos, tornando-me blogueiro em 2008. Em 2010 esse hobby virou profissão, e desde então tenho buscado melhorar e profissionalizar cada vez mais os projetos que mantenho na web.

Comentários

Atualmente temos 6 comentários para este post. Participe você também, clique aqui e comente sobre o assunto.

  • LUIZ RICARDO comentou em

    Gostaria de saber, se toda vez que ligo o computador terei de reinstalar o linux ou outro sistema na máquina virtual?

    Responder
  • Olá, gosto muito dos seus artigos e vídeos, sempre usei windows a vida inteira e ultimamente tenho me cansado um pouco dele, mas como trabalho com muitos programas da adobe, tenho pensado e repensado em mudar para linux (já que os produtos da apple estão fora do meu orçamento atual), gostaria de saber se há alguma forma de utilizar estes programas no linux.
    Obrigada

    Responder
    • Romário comentou em

      Em último caso você pode emular o Windows (pode ser no VirtualBox, por exemplo) e instalar os programas exclusivos lá. O desempenho não será o mesmo, é verdade. Mas quebra o galho quando não existem programas correspondentes no Linux.

      Responder
  • Samuel comentou em

    Ótima postagem.
    Gosto muito da forma que explica cada assunto.
    Seria possível fazer artigos referentes aos Sistemas operacionais e suas versões?
    Como: O que difere uma versão da outra?.. Por ex: W7 - Basic, W7 Home Premium, W7 Ultimate entre outras versões tantos para windows, como para Linux e MacOS.

    Responder

Deixe seu comentário